Li na Net: Minecraft, amar um bebé, comportamentos e síndrome de Asperger

Olá [email protected]! Bem-vindos a mais um Li na Net, onde eu tento reunir artigos, textos ou notícias interessantes que tenho lido por aí sobre Parentalidade (e outras coisas). Algumas coisas não serão assim tão recentes, mas todas elas interessantes, e com opções diferentes para gostos diferentes, espero.

Minecraft – uma mistura de ZX Spectrum e LEGO para uma nova geração

Para começar um artigo grande e nerdy do New York Times sobre a “Geração Minecraft”. O Minecraft é uma espécie de lego virtual,  que pode ser “jogado” em rede, e que permite construir estruturas e mecanismos, aplicando também noções de lógica (ou programação) básicas. É uma peça de software fascinante, quase tão fascinante como as comunidades que está a criar e a utilização que os miúdos estão a fazer da aplicação. Impossível não pensar, em certa medida, no impacto que o ZX Spectrum e os Commodore Amiga tiveram noutras gerações – como ferramentas de jogo mas também de construção.

For one thing, it doesn’t really feel like a game. It’s more like a destination, a technical tool, a cultural scene, or all three put together: a place where kids engineer complex machines, shoot videos of their escapades that they post on YouTube, make art and set up servers, online versions of the game where they can hang out with friends. It’s a world of trial and error and constant discovery, stuffed with byzantine secrets, obscure text commands and hidden recipes. […] Minecraft encourages kids to get under the hood, break things, fix them and turn mooshrooms into random-­number generators. It invites them to tinker.

The Minecraft Generation (New York Times)

***

Nem todos sofremos de amor à primeira vista (do bebé)

Passando para a categoria de perguntas difíceis, vale a pena espreitar este resumo com as melhores respostas a uma “thread” do Reddit sobre Quanto tempo demorou para amarem o vosso bebé?. Muita honestidade saudável de mães e pais nos comentários.

I loved my daughter because she was mine, but I didn’t really feel that overwhelming love that people talk about. She was just like, there. She slept 20 hours a day. The times she was awake, she was pooping or crying, or both. We had difficulty nursing, and she wouldn’t take bottles—it just wasn’t fun. Add onto that my huge family of aunts and uncles telling me to hold her, not hold her, let her sleep, keep her awake, do this, do that—I just felt kind of detached.

Parents Answer: How Long Did It Take to Love Your Baby? (Upvoated)

***

Na área dos comportamentos, para pais que:

tenham filhos ansiosos, ou que sejam simplesmente curiosos, este artigo da Slate sobre a ansiedade nas crianças (e nos pais). How to Handle an Anxious KidSlate.

tenham curiosidade em ler sobre as impressões de uma americana relativamente ao facto das crianças europeias parecerem ser mais sossegadas (e gritarem menos). Why European Children Are So Much Quieter Than YoursAcculturated.

queiram saber como (tentar) educar um pensador original – i.e. pessoas criativas e que questionem o mundo à sua volta. Educating an Original ThinkerAtlantic.

se questionem sobre o papel da mentira no crescimento e na educação, tipo, como lidar com o facto de dizermos aos nossos filhos que mentir é errado e depois passarmos o dia todo a lidar com mentiras e mentirosos – aceitando isso como normal. Why Students Lie, and Why We Fall for ItNew York Times.

***

Para terminar, como ser bom pai pode dar cabo de nós e síndrome de Asperger

O prémio do estudo “é interessante mas mais valia não terem dito nada” vai para esta notícia sobre um trabalho que investigação que descobriu que os pais empáticos (e que normalmente têm filhos menos agressivos, menos depressivos e mais bem ajustados) estão mais expostos fisicamente ao sofrimento dos filhos, com danos para o seu próprio sistema imunitário. Being a good parent will physiologically destroy you, new research confirms – Quartz.

E, curiosamente, nas últimas semanas deparei-me com duas fontes interessantes (e importantes) relacionadas com o conhecimento da síndrome de Asperger, uma forma dita “leve” do espectro do autismo, em português. A primeira é a página Aspie PT Woman – Autismo no Facebook, sobre o Asperger no feminino. A segunda, num registo mais íntimo, quase literário, mas também informativo, sobre ser mãe de um filho com Asperger, é o blog (A)Marte.

E tenham uma boa semana!

View post on imgur.com

E agora? Podem ir à página dos melhores posts (escolhidos por mim), subscrever o blogue por e-mail (se forem esse tipo de pessoa), ou fazer 'gosto' na página do Facebook e ter acesso a mais paisanices:

2 Comments on Li na Net: Minecraft, amar um bebé, comportamentos e síndrome de Asperger

  1. AHAHAHAHAHAHAHAHAHA!!! não consigo parar de rir com a expressão que o gato faz!!!LINDO!!! e tantas sugestões boas!! many tanx! 🙂

  2. O mais giro é que nunca pensei que o Minecraft pudesse ser mais do que um jogo…qd quero explicar coisas ou dar exemplos, por vezes recorro ao Minecraft para eles entenderem melhor!!
    Em alguns locais do mundo o minecraft está a ser dado de uma forma educativa em disciplinas, como geografia ou matemática!!!

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*